Tecnologia DGB da Caterpillar reduz custo de operação nas atividades de E&P no onshore

Tecnologia DGB da Caterpillar reduz custo de operação nas atividades de E&P no onshore

Dynamic Gas Blending permite a substituição de até 70% do diesel por gás nos motores Cat®

 

O cenário de E&P onshore promete aquecer nos próximos anos no Brasil. O Ministério de Minas e Energia lançou, em janeiro deste ano, o Programa de Revitalização das Atividades de Exploração e Produção de Petróleo e Gás em Áreas Terrestres (Reate).

 

Atenta ao mercado, a Sotreq aposta que o DGB pode ser um grande aliado aos clientes operadores e prestadores de serviço no onshore brasileiro. O Dinamyc Gas Blending é uma solução desenvolvida pela Caterpillar que permite a utilização de até dois tipos de combustível (diesel e gás) nos motores da série 3500. O dispositivo atua diretamente no controle do sistema de combustível do motor gerenciando a substituição do diesel por até 70% de gás.

 

“Com o DGB é possível economizar na conta do combustível sem afetar o desempenho do motor”, explica Diego Reis, Gerente de Desenvolvimento de Negócios da Sotreq.

Estudos baseados em uma configuração típica de Grupo Gerador Cat® com DGB em uma sonda de perfuração terrestre apontam redução de 50% no custo total com combustível. Quanto maior a disponibilidade de gás para ser utilizado pelo motor, mais rápido o resultado econômico é percebido pelo operador.

 

Reis ainda acrescenta que, o dispositivo da Caterpillar foi desenvolvido para entregar economicidade e flexibilidade a operação dos clientes sem risco de perda de desempenho. O DGB controla a admissão de gás e diesel e ajusta automaticamente o percentual de mistura de acordo com a demanda das cargas. “Nas atividades de E&P onshore é possível utilizar o gás do poço como combustível para os motores, tornando a operação mais barata e sustentável”.

 

Em países como Estados Unidos e Canadá onde a atividade de E&P no onshore é predominante, o DGB já está consolidado. O portfólio da Caterpillar para este segmento é completo, vai desde de soluções em geração de energia para sondas de perfuração até conjuntos de força com motor e transmissão para bombas por exemplo. Todos elegíveis a aplicação do DGB, o que reforça nossa missão em suportar nossos clientes e de agregar valor à cadeia produtiva de O&G.

 

 

Até 2030

O Reate tem o objetivo de criar sinergias entre os produtores, fornecedores e financiadores do segmento, tornando a indústria de E&P terrestre mais forte. De acordo com estudos, a iniciativa deve triplicar a produção onshore no país até 2030.

 

Atualmente, a produção no Brasil é de 143 mil barris diários de óleo e 26 milhões m³/dia, em oito estados. Com a proposta, o volume pode chegar aos atuais patamares onshore de Argentina e Equador (algo em torno de 500 mil barris diários), levar a exploração e produção no dobro de estados, gerar mais de 10 mil novos empregos diretos e indiretos, além de movimentar a economia de centenas de municípios.

 

Uma das metas do programa é aprimorar o ambiente de produção competitiva de gás natural, de modo a dar suporte a um desenvolvimento industrial regional, principalmente nas regiões Nordeste, Centro-Oeste e Norte do Brasil.

 

A medida passou por uma consulta pública, encerrada em maio. As contribuições estão sendo analisadas e farão parte do relatório final do Reate, que será submetido à próxima reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).