Aprendizado e amadurecimento profissional: conheça a história de dois ex-estagiários da Sotreq

Aprendizado e amadurecimento profissional: conheça a história de dois ex-estagiários da Sotreq

Lucas Lisboa, hoje Engenheiro de Aplicação, e Leonardo Barreto, Analista de Treinamento, contam por que vale a pena estagiar na empresa

 

No mês de agosto, a a Sotreq anunciou a abertura do Programa de Estágios 2019. Foram abertas vagas em quatro regiões do País (Norte, Nordeste, Sudeste e Centro Oeste) para alunos dos cursos de Engenharia Mecânica, Engenharia Mecatrônica, Automação, Produção, Ambiental, Agrícola, da Computação, Análise de Sistemas, Administração, Economia, Ciências Contábeis, Direito, Logística, Marketing, Design Gráfico, Publicidade e Propaganda, Relações Públicas, Análise de Sistemas e Relações Internacionais.

 

Durante o programa, o estagiário é acompanhado pelo seu gestor e recebe devolutivas periódicas com relação ao seu desenvolvimento. Além disso, o programa abre oportunidade para a troca de experiências entre os colaboradores, assim como o intercâmbio de novas ideias.

 

As inscrições podem ser feitas pelo link: https://bit.ly/ProgramaDeEstagio2019

 

Para contar um pouco sobre essa experiência, a ELO NEWS conversou com dois ex-estagiários da empresa: Lucas Lisboa, hoje Engenheiro de Aplicação, e Leonardo Barreto, Analista de Treinamento. Confira:

 

ELO NEWS – Há quantos anos trabalha na empresa? Qual seu cargo atual?

Lucas Lisboa – Entrei na empresa como estagiário há 1 ano e 9 meses. Hoje sou Engenheiro de Aplicação, atuando na área de Petróleo no setor de Motores Novos.

Leonardo Barreto – Completarei 4 anos em outubro deste ano. Atualmente sou Analista de Treinamento.

 

 

ELO NEWS – Como ficou sabendo de estágio e o que mais despertou interesse de começar a trabalhar na empresa?

Lucas Lisboa – Estava no 7º período do curso de Engenharia Mecânica, em busca de um bom estágio e encontrei a oportunidade em um site de vagas. Logo no primeiro momento eu me interessei pela vaga, visto que a Sotreq é uma empresa conceituada no mercado. Após uma breve pesquisa, tomei conhecimento de sua enorme área de atuação, o que me fez ter certeza que seria um ótimo lugar para iniciar minha carreira.

Leonardo Barreto – Fiquei sabendo do estágio procurando em um site de vagas de emprego. Como a vaga era para o Ambiente Humano, me interessei logo, pois é o setor que eu gostaria de trabalhar. No anúncio não dizia qual era a empresa, então só descobri na dinâmica de grupo. Até então eu não conhecia a Sotreq, só a Caterpillar.

 

ELO NEWS –  Como foi o processo seletivo e a sua contratação? 

Lucas Lisboa – Foram três fases. A primeira foi realizada online, em que deveria fazer uma prova de lógica e conhecimentos gerais. Depois disso me chamaram para uma entrevista com o Ambiente Humano. Nesta entrevista pude mostrar minhas qualidades e a minha trajetória até então. A terceira fase foi uma entrevista com o gestor. A vaga era para a área de motores, o que aumentou ainda mais meu interesse. Pude falar um pouco sobre mim e o porquê me encaixaria bem nessa oportunidade.

Leonardo Barreto – Foi tranquilo e com três fases. Primeiro uma dinâmica de grupo com aproximadamente 13 candidatos e depois três entrevistas: com o Ambiente Humano, uma profissional da equipe que eu integraria e a minha futura gestora. A entrevista com a gestora foi marcante, pois me identifiquei demais com a minha coordenadora, Roberta Meirelles, e desde então mantemos uma relação profissional muito sólida e me sinto coachee dela desde o primeiro dia. 

 

 

ELO NEWS – Quanto tempo durou o seu estágio? 

Lucas Lisboa – Um ano e sete meses.

Leonardo Barreto – Dois anos.

 

 

ELO NEWS – Por que o Grupo Sotreq é uma boa escolha para se estagiar?

Lucas Lisboa – Durante meu período de estágio, tive um contato maior com a área comercial e foi muito interessante, pois era um assunto que eu não havia me aprofundado durante a graduação. Como estava estagiando na área de motores, foi possível aumentar meu conhecimento e aplicar o que já havia estudado durante a faculdade. Eu recomendaria a Sotreq para estagiar, pois é uma empresa que sempre me deu a oportunidade de aprender e amadurecer profissionalmente.

Leonardo Barreto – Eu sempre fui uma pessoa ansiosa e acelerada. Aqui na Sotreq, além do conhecimento técnico para o setor, aprendi principalmente a escutar e respeitar o tempo do outro, além de controlar a ansiedade para evitar dar prazos muito curtos para os clientes e não demandar excessivamente dos meus companheiros de empresa. Eu recomendaria o programa de estágio para os estudantes por diversos motivos. Primeiro o aprendizado, já que o programa oferece diversos cursos e feedbacks que facilitarão e acelerarão o desenvolvimento do estudante ao longo do processo. Segundo, pela possibilidade de efetivação, pois encontramos muitos colaboradores que foram estagiários. Só na minha fileira de baias são três. Terceiro, por ser uma empresa sólida, sem grandes oscilações, com valores enraizados na cultura e que valoriza o colaborador.

 

ELO NEWS – Conte um momento inesquecível durante o estágio.

Lucas Lisboa – No final do período de estágio, fui transferido da área comercial para a engenharia. Havíamos acabado de fechar um grande projeto com a MODEC de Singapura para o fornecimento de quatro grupos geradores e fui convidado para participar de uma vídeo conferência para alinhar alguns pontos técnicos com o cliente. Foi uma experiência importante, pois estávamos nos comunicando em outra língua (inglês) e pude entender a dimensão do projeto e sua importância para a Sotreq.

Leonardo Barreto – Tem duas situações que nunca me esqueci. Uma um pouco trágica e outra que mostra que o programa de estágio realmente oferece possibilidade de atuação de impacto na empresa.
Situação trágica: certa vez cheguei um pouco mais cedo na Sotreq e fui abrir a porta quando percebi o Presidente, Carl Orberg, chegando também. Me ofereci para abrir a porta para ele, mas ele, cordialmente, abriu a porta para mim. Agradeci falando: “Obrigado, Marcelo! Bom dia!”. E segui meu caminho para o Ambiente Humano. Quando sentei na minha baia, me toquei que tinha falado o nome do filho dele! Logo pensei: é hoje que sou demitido. Não sei se ele lembra, mas eu nunca esqueci.

Situação de atuação de impacto: pouco tempo após ser contratado como estagiário, comecei a aprender sobre a plataforma de cursos on-line da Cat®, o Dealer Performance Center. Há quatro anos, era uma plataforma muito confusa, com atendimento realizado por e-mail e mal administrada. Ao longo do estágio, consegui organizar o atendimento no Portal e passei a ser o principal administrador da plataforma para o Grupo Sotreq. Nesse período, um colaborador da Cat® visitou o Ambiente Humano e me elogiou para a minha coordenadora, consolidando o sucesso da ação sobre o DPC.

 

ELO NEWS – Acredita que o aprendizado do estágio foi crucial para desempenhar as suas atividades até os dias de hoje?

Lucas Lisboa – Após me formar fui efetivado na área da engenharia para trabalhar com o grande projeto que havíamos fechado com a MODEC. Estou com a função de fornecimento de documentações e de suporte ao cliente em possíveis dúvidas técnicas sobre o projeto. Sim, com certeza o amadurecimento profissional e principalmente os conhecimentos técnicos adquiridos durante o período de estágio me permitem desempenhar a função.

Leonardo Barreto – Fui efetivado na mesma área em que atuei enquanto estagiário, o que facilitou a transição, pois aprofundei minha atuação e oficializei minhas responsabilidades em alguns processos, sendo o principal administrador de alguns deles. O aprendizado ao longo do estágio foi fundamental, principalmente minha parceria com pares mais experientes e com a Roberta, com quem tenho reuniões quinzenais desde que fui efetivado para falarmos sobre o que está ocorrendo em minhas atividades. Assim, tomo decisões mais sólidas e com menor margem de erro.

Comentar